O seu e-mail foi enviado

sair

Ocorreram erros, verifique os campos a vermelho

Faltam 500 caracteres

Cancelar

O Cinturão Fotonico

O britânico Edmund Halley começou uma série de estudos sobre as Plêiades no começo do século XVIII.



O CINTURÃO FOTÔNICO foi inicialmente descoberto quando o famoso astrónomo britânico Edmund Halley começou uma série de estudos sobre as Plêiades no começo do século XVIII.
Halley é reconhecido por seu descobrimento do cometa Halley, que parecia demonstrar as leis newtonianas do movimento planetário. Halley descobriu que pelo menos 3 das estrelas do grupo das Plêiades não estavam nas mesmas posições registradas em tempos bíblicos por vários astrónomos gregos. A diferença na posição já era tão grande nos tempos do Halley que era impossível afirmar quem estava equivocado, os gregos ou Halley.
Este, por conseguinte, concluiu que as Plêiades tinham um deslocamento previsível. Um século depois se demonstrou a validade de suas observações, com as observações feitas por Frederich Wilhem Beseel, que descobriu que todas as estrelas das Plêiades têm um movimento próprio de aproximadamente 5.5 segundos de arco por século. As Plêiades
Paul Otto Hesse (Século XIX) também estudou as Plêiades e descobriu que em um perfeito ângulo recto (90 graus) com o movimento das Plêiades havia um CINTURÃO DE LUZ em forma de anel parecido, em sua formação, com os anéis de Saturno, com uma espessura de 2.000 anos solares ou 759.864 biliões de milhas.
O planeta Terra está completando um ciclo de 24.000 a 26.000 anos para encontrar-se com este CINTURÃO. Hesse, Prémio Nobel de Ciência, estabelece que nosso sistema planetário forma parte da sétima órbita do sistema de sóis pertencentes às Plêiades; e que não são seis sóis maiores os que giram ao redor de Alcione, mas, sim, muitos mais, e nosso sistema solar gira na sétima órbita do sistema.
Depois de muitos anos de observação directa e fotográfica, chegou-se a descobrir que pelo menos as seis estrelas mais visíveis (sete incluindo à própria Alcione), formam um sistema físico; ou seja, que não se trata de estrelas com movimento e vida independente, mas sim que obedecem a um centro gravitacional e que giram como o fazem nossos planetas ao redor de nosso Sol Central.

Veja a continuação do artigo na página seguinte


Comentários

publicidade
publicidade
Cálculo do signo ascendente

Outros Sites

Site

SAPO Mulher

Não gostamos da introspeção

Evitamos pensar nos problemas para não sofrermos
Site

SAPO Saúde

Já pensou em ser vegetariano?

Os riscos, benefícios e cuidados a ter
Site

SAPO Crescer

Faça uma boa gestão familiar

Sugestões para manter o dia a dia da família em ordem
Site

SAPO Vídeos

Cerca de 180 segundos com Gustavo Santos

Dicas todas as semanas para viver um dia-a-dia mais feliz
Site

SAPO Zen

Darshan

Os ensinamentos de Osho e os diversos métodos que utiliza